Institucional  |    Bianca   |   Filosofia  |   Origem   |  Atividades  |  Informativos
Boletins  |  Centro de Saúde  |  Hospedaria  | Rito Anual  |  Arte e Poesia  |  Experiências  |  Áudio  |  Fotos  |  Vídeos  |  Reportagens
 Downloads  |  Cadastro  |  Contate-nos  |  Mapa do Site  |  Exercícios  |  Filosofia   |  Livraria




Descrição do Livro "A Filosofia da Técnica Física para a Conquista da Autoconsciência - TFCA:
Vivenciação no Mundo Extrafísico (Mundo Espiritual)."
Copyright C 2008, Edição do Autor. ISBN: 978-85-908751-0-9

Todos os direitos do livro reservados para Maria da Aparecida de Oliveira, Bianca.


A Filosofia da Técnica Física para a Conquista da Autoconsciência

Quando se fala em filosofia, fala-se de um entendimento individual de um indivíduo que acha que faz parte do ser. Na filosofia o ser se considera pleno. Mas qual a plenitude do ser, senão ser a grande parte, ou quiçá, o próprio ser? Só se é ser quando se é capaz de raciocinar, criar por conta. Quando o seu pensar depende da execução de outros, você não é ser, você é indivíduo. Como indivíduo se imagina, mas não se executa. Enquanto ser, imagina-se pouco e a execução é que faz parte do ser. Neste ambiente existem muito indivíduos e todos têm de ser transformados em seres.
 

Prefácio: Motivos para Reflexão

“Por que somos problemáticos? Nós, como pessoas que já estávamos em busca da autoconsciência, encontramos no trabalho o cabedal, o meio para que pudéssemos ser auto-suficientes. Dentro disso, não existe um grupo, mas sim um indivíduo, que concorda ou não, com o que está sendo feito. Cada opinião é discutível, não importa de onde venha, porque achamos que sabemos.
 

E se pudéssemos raciocinar em cima do que é o saber, iríamos descobrir que não sabemos nada. Mas, é muito difícil raciocinar sobre o saber, quando achamos que sabemos.
 

Portanto, se para nós não fora necessária um explicação anterior para que chegássemos ao trabalho da TFCA, é porque já estávamos prontos. Mas, nem todos estão prontos.
 

Sabemos, ou achamos que sabemos? Não podemos esquecer, como sábios que achamos que somos, que os outros não o são. E se sabemos que não o são, porque somos sábios, temos de procurar entendê-los, e fazermos, dentro do conhecimento que achamos que temos, de cada ser humano um sábio.

 

  

Dr. Hulff